Obtendo...

 

 

Domingo, 21 de janeiro de 2018

Na Cola

contato@acessepiaui.com.br

13/01/2018 - 09h00

Compartilhe

Na Cola

contato@acessepiaui.com.br

13/01/2018 - 09h00

Naúgia Araújo, filha de desaparecido na época da ditadura

Até hoje, passados 32 anos do fim do regime, os "filhos da ditadura" choram as mortes e os desaparecimentos registrados naquele período.
Avaliar publicação       0
Tempos da ditadura de 1964 devem ser lembrados para que não se repitam mais na história do nosso Brasil. Leia abaixo trechos de um dos depoimentos contidos no relatório feito pela CEVPM-PB (Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória do Estado da Paraíba).

"Eu estava chegando da escola e vi meu pai saindo da nossa casa. Ele me abraçou e disse que voltava logo. Nunca mais voltou." Esta é a lembrança que Naúgia Araújo, 63, tem do dia em que o pai, Pedro Fazendeiro, então com 55 anos, saiu de casa para prestar depoimento ao Exército. O ano era 1964 e Pedro, líder camponês, estava na mira da ditadura militar no Brasil.

Até hoje, passados 32 anos do fim do regime, os "filhos da ditadura" choram as mortes e os desaparecimentos registrados naquele período. 

"Durante alguns meses, aos domingos, minha mãe, meus irmãos e eu íamos visitar nosso pai na prisão do quartel. Minha mãe sempre perguntava se ele tinha esperança de voltar para casa, mas quando fizemos a última visita ele estava triste, pensativo." Um dia depois, a família recebeu a notícia que Pedro Fazendeiro havia sido solto. Desde então, porém, ele nunca mais foi encontrado.

"As lembranças que tenho do meu pai são poucas. Esqueci sua fisionomia porque a história não permitiu que fosse o contrário. Para todos os filhos, meu pai traçou um destino: médico, engenheiro, advogado, professor. Ele não teve tempo de sonhar com meu futuro, a ditadura não deixou", conta Naúgia Araújo, filha de desaparecido na época da ditadura.

Mesmo muito pequena na época, Naúgia guarda lembranças amargas. Ela conta que, após o desaparecimento do pai, a família chegou a passar fome. "Foram anos difíceis. Meu pai desaparecido, minha família desamparada, sem nada para para comer. Foi um período muito doloroso, que deixou marcas", explica.

Com informações do Uol 

  Tags:

Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Página inicial

Listar mais